segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Sherlock Holmes - A Vampira de Sussex

 Em A Vampira de Sussex,você vai se aventurar por uma série de histórias sobre o ilustre detetive que haviam ficado guardadas por muito tempo.Cada narrativa é um misto de suspense e mistério intrigantes,que só o grande Sherlock seria capaz de desvendar.
O livro A Vampira de Sussex é o segundo livro do Sherlock Holmes do autor britânico Sir Arthur Conan Doyle,ao contrario do que se pensa o livro não é somente a história da vampira mas sim seis histórias ou contos dos casos que Sherlock e seu intrépido parceiro Watson.
A primeira história do livro é A pedra Mazarino  o conto começa com a volta de Dr. Watson médico esteve fora por algum tempo e na volta encontrou Billy, o novo criado de Holmes e o parópio,sendo que estava envolvido em mais um caso e o próprio.Com a disposição habitual de quando trabalha o detetive cuidava de crime excepcionalmente importante: o roubo da pedra da Coroa,de mais de 100 mil libras. O Cliente Ilustre
Sir James Damery procura Holmes fala sobre o Barão Gruner e Miss Violet de Merville e seu pai o general Merville.
Holmes pretende contar com a ajuda de Shinwell Johnson um ex-criminoso que agora o auxilia.
Holmes fala com Miss kitty Winter esta diz que foi namorada de Gruner que a violentava e que este já matara 2 namoradas mas Violet duvidava de tudo.

Holmes finge estar a beira da morte ao ter sua casa invadida.
Watson vai ao encontro de Hill Barton se passando por colecionador de porcelana, enquanto isso Holmes entra escondido e rouba um livro do Barão e com essas informações soluciona o caso.

O segundo livro é A ponte  de Thor  O Dr. Watson começa o livro contando como seleciona os casos de Sherlock Holmesque serão publicados. Dentre todos ele resolve contar o caso de uma morte curiosa da esposa de Neil Gibson, um rico empresário conhecido como Rei do Ouro.A Sra. Gibson era uma brasileira que o empresário conheceu numa viagem ao Brasil. Após alguns anos o casamento acabou ruindo, mas a mulher continuava apaixonada e não queria se separar. A relação dos dois ficou cada vez pior e numa noite a Sra. Gibson apareceu morta, na entrada de uma ponte da casa, com um tiro na cabeça.A principal suspeita era a Srta. Dunbar, a babá da família por quem o Sr. Gibson nutria uma afeição especial. A arma do crime foi encontrada em seu guarda-roupas e a vítima segurava um bilhete onde a babá marcava um encontro no local do crime.
Por causa das evidências a bela jovem foi presa e o empresário havia procurado Sherlock porque tinha certeza de sua inocência e não queria que ela fosse condenada. Mesmo sem tem certeza, o detetive aceitou o caso e partiu junto com Watson para a residência do sargento Coventry, o oficial que investigou o crime.Após uma rápida conversa os três partiram para o local do assassinato onde tudo foi meticulosamente analisado e Sherlock se interessou por um detalhe em especial: um lascado na borda da ponte (próximo do local onde o corpo foi encontrado) que tinha sido feito de baixo para cima.Durante o passeio pela mansão Holmes fez algumas perguntas aos funcionários que relataram um comportamento agressivo e até mesmo violento por parte do patrão. As brigas entre o casal eram constantes e em todas o homem se mostrava bastante cruel.
Depois de visitar a casa, Holmes e seu amigo conseguiram uma permissão para falarem com a Srta. Dunbar. Num depoimento extra-oficial a moça contou que recebeu um bilhete da Sra. Gibson na manhã do dia do crime. Nele ela marcava um encontro e pedia que a moça se livrasse do papel.
Ao chegar na ponte, local onde a mulher foi encontrada morta, a babá foi recebida com xingamentos e resolveu abandonar o local logo em seguida. Ela se dirigiu ao seu quarto e lá ficou até ouvir o alarme que indicava que a patroa havia sido encontrada morta.
A versão da Srta. foi aceita por Holmes que depois de conhecê-la passou a acreditar em sua inocência. Restava saber por que a arma tinha sido encontrada em seu guarda-roupa e quem tinha de fato realizado o crime.
Não vou contar de todos os contos aqui pois ficaria uma resenha muito extensa e cansativa,então vou pular para o conto que dá o nome do livro A Vampira de Sussex, bem Sussex era uma pequena vila nessa época e que vivia sobre grande superstições e crenças de seus moradores que ainda se pegavam com medos antigo,como fantasmas,lobisomens e etc. Sherlock entra nessa história quando um amigo de Watson aparece pedindo socorro por achar que sua mulher era uma vampira e estava sugando o sangue de seu filho mais novo de apenas 1 ano, depois desse pedido desesperado eles decidem partir para a pacata vila de Sussex onde todos estavam aterrorizados com a possível vampira.A mulher do homem foi trancada em um quarto para que fica-se longe da criança e assim não se alimentar dela.Chegando a vila Sherlock não trata o caso como sendo diferente ou superior aos seus casos e sim o trata como o mais comum de todos.
Depois de dois dias de estadia ele acaba concluindo o caso e inocentando a pobre mulher que fora acusada de ser vampira,pois oque de fato havia acontecido era que o homem possuía um filho mais velho de uns 13 anos fruto de seu outro casamento em que sua mulher viera a falecer,esse garoto teve de ser criado sem a mãe e com o pai dando toda sua atenção para sua nova esposa,quando ela tem um filho sua raiva ultrapassa todos os limites.Tomado pelo ódio de não ter mais a atenção do pai ele envenena um dardo e acerta em seu irmão, como a sua madrasta era Peruana ela sabia o que fazer em caso de envenenamento como esse ela tira o dardo e faz um pequeno corto no pescoço da criança e chupa do sangue com veneno só que nesse momento o pai da criança aparece e vê tudo e acha que sua mulher era uma vampira.
Devo ser sincera com você esse foi um dos livros mais decepcionantes do Sherlock Holmes que eu já li, a narração estava muito pesada e com muitas notas e depois todos os personagens eram iguais e eram totalmente sem graça assim deixando o livro com a mesma cara em todos os contos.
  




Nenhum comentário:

Postar um comentário